sexta-feira, 25 de setembro de 2009

SP em P&B


4 e meia da manhã, dilúvio em BH.

Ai, dureza, acordar cedo (madrugada) para viajar a trabalho, e ainda debaixo de um temporal?

Droga de aeroporto longe!!!!!!!!!!

Troquei o sapato. O que eu tinha escolhido tinha a meia aparente, ia ensopar tudo.

Chamei o taxi, que chegou super rápido.

Marcelo foi me levar lá na portaria, que delícia de marido.

Ia aterrisar praticamente na hora, não fosse o fato de que o avião teve de subir de novo quando já avistávamos a pista de Congonhas.

"Xi, fechou"- comenta o moço do meu lado, fato que até me assustou, para falar a verdade, pois normalmente quase não troco palavras com ninguém no avião. O oposto de uma conhecida, que simplesmente beijou seu vizinho de poltrona (que até então nunca tinha visto na vida) durante praticamente todo seu vôo internacional. Mas isso é um caso em um milhão, que deveria ir para o Guinness!

Liguei para avisar que me atrasaria para a primeira reunião.

Ainda bem que os paulistas entendem tudo o que se refere a trânsito caótico e atraso de vôo. Choveu? Melhor ainda. Pode processar se alguém brigar com você!

Enquanto a garoa molhava São Paulo, uma espessa camada de nuvens cobria a cidade deixando o céu todo branco, que nem cobertura de chantily.

Ao final do dia, entro na casa de minha amiga Miriam e me deparo com um lindo quadro de um beijo em Paris.

Vontade de estar em Paris.

Vontade de beijar em Paris.

Não era como o quadro que ilustra esse post, mas tão lindo quanto, talvez ainda mais!

E mais garoa.

E mais conversa, como é bom colocar o papo em dia!

E dá-lhe comida boa, boas risadas, e boas checadas de e-mail porque afinal de contas estava ali pra trabalhar!

No outro dia, café da manhã saudável e pé na estrada, ou melhor, na Avenida.

Depois do treinamento, sigo para o Consulado Americano.

Tremo, mas não é de nervoso, é de frio. 12 graus centígrados!!!!!! Tá nevando!

Fila, deixo o celular guardado, passo por uma revista, faço amizade com algumas companheiras de espera, mais precisamente com duas, muito simpáticas e de São Paulo. Mais fila, pré-entrevista, espero de novo (e muito), dou uma corridinha no banheiro enquanto minhas novas amigas seguram minha bolsa, volto pra fila, tiro impressão digital, mais espera para a entrevista final, fome, barriga roncando (por que eu não almocei antes ?), mais fila para pagar a taxa do visto de negócios, e ainda outra para pagar a taxa do sedex, onde estão minhas amigas, será que algum dia as verei de novo?

Ah, Starbucks! Agora minha viagem a São Paulo tem a cara da minha ida a Boston.
Como não tem chá? Tudo bem, vou de mocha latte mesmo...

Consigo antecipar o vôo pela primeira vez, ôba!

Descubro que a aeronave tá atrasada, mas tudo bem, ainda assim chego em Confins uma hora antes do que chegaria com a minha passagem antiga.

Meia hora para o próximo ônibus até BH?????? De que adianta antecipar o vôo nessa terra?

Fecho os olhos e tento dormir.

Estou nos braços de Marcelo, dou um beijo estalado na Júlia.

Sonho?

Não, voltei pra casa.

E mês que vem tem mais...


domingo, 13 de setembro de 2009

Viagem de Domingo




Domingo tem sido meu dia eleito para viajar pela internet.


Normalmente, para não dizer em quase 100% das vezes, uso a danada para o trabalho, mais precisamente para e-mails, centenas, milhares, zilhares deles.


Mas no domingo tenho procurado aproveitar um tempinho para checar as novidades: ver as recentes fotos de minha grande amiga que está morando na Austrália e que é simplesmente a mais nova vizinha do guitarrista do ACDC; dar uma visitadinha no recente blog que descobri, o garotinharuiva.blogger.com, onde aproveito para me enriquecer culturalmente e aprender que, na Rússia, o domingo é o dia mais movimentado da semana.

Sim, é isso mesmo! Enquanto nós, brasileiros, conhecemos beeeem aquela rotina de almoço em família e uma cochilada básica depois (não que eu faça isso - eu almoço, mas não cochilo rs rs), os russos movimentam as cidades fazendo compras em meio a um trânsito de pessoas fervilhante. De acordo com a autora do blog, somente os bancos e as escolas fecham!


É, sem dúvida essa é uma visão diferente do domingo. Tudo bem que nossos shoppings tem funcionado, e muitas outras casas comerciais também, mas estamos longe desse auê, que aliás deve ser bem interessante!


Essa história de rotina é uma coisa meio maluca, pois ao mesmo tempo que queremos fugir dela, às vezes amamos encontrar o conhecido: a mesma deliciosa padaria para se tomar o café da manhã do final de semana, o mesmo tempinho reservado para a internet, os mesmos amigos para trocar confidências... O novo, o antigo, o novo, o antigo...


E formar uma nova rotina, em um lugar desconhecido, com pessoas desconhecidas? Pois é isso que meus intercambistas fazem. Intercâmbio é participar do dia-a-dia de um outro povo. Leia-se: atividades rotineiras, mas uma rotina nova, que nunca foi sua!!! E aí, essa rotina pode ser considerada rotina??

Outro dia o Pedro, um de meus intercambistas, mandou o link para seu blog, que vou dividir com vocês. Nele é possível navegar pela rotina de um adolescente no exterior, aquela história de acordar de manhã, ver a neve na calçada e tiritar de frio enquanto espera o escolar (para descobrir que as meninas entram primeiro no ônibus... - que tal adotarmos essa prática de primeiro mundo?).


Apesar de já ter escrito um livro sobre intercâmbio, jamais fui tão fundo em tão genuína descrição. Obrigada, Pedro! Com você pude aprender ainda mais!


E obrigada, Pedro e Bella, por mais duas fotos estonteantes...


PS - O link do blog é:http://hearthehush.blogspot.com/

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Moving...





Hoje à tarde fiz algo que não faço há muito, muito tempo. Aliás, fiz algo que nunca havia feito na minha vida. Passei parte da tarde navegando na internet - até aí nada muito inédito - passeando pelas páginas de meus intercambistas e me emocionando com suas fotos - também algo presente em meu cotidiano - ouvindo boa música... Mas fiz isso da sala da MINHA CASA. Minha primeira casa, my little lovely cozy home - e estou apaixonada por ela.

Tá, é um apartamento, mas não importa. Dele vejo a lua cheia da janela da varanda e um pedaço de montanha que brinda a manhã no quarto da minha filha. Aqui arranco mato, troco água do bebedouro de beija-flores (ainda não vieram, mas somos pacientes), sinto o vento mais forte e o barulho de chuva vindo da coifa da cozinha. Aqui sou feliz, como já era, só que um pouco mais.

Mudar é uma viagem. Uma viagem pra dentro, enquanto arrumamos as coisas e separamos o que encaixotar. Uma viagem pra fora, enquanto nos aprendemos a nos desprender. Fotos, bilhetes, cartas, cartões, passado... Nenhuma mudança passa ilesa, mudar é revigorante, mas é doído, e uma maravilha, mas estressa, é uma nova etapa, e por isso também é saudade.

A verdade é que a vida da gente é uma coleção de intercâmbios, de novas realidades, de mudanças, de processos de adaptação, de criação de histórias, de contemplação, de meditação e de descobertas (exteriores e interiores).

Ao enxergar a viagem de meus intercambistas através de suas lentes e olhares tão singulares, tive hoje ainda mais certeza de que experiências como essas são para quem gosta de viver intensamente. Enquanto eles descobrem o Canadá, a Nova Zelândia e os Estados Unidos, descubro a sensação de cuidar da minha própria casa. Enquanto eles registram com seu olhar adolescente a enormidade de suas vivências, coloco uma fadinha de brinquedo no meu canteiro. E a terra gira, a vida continua, e estamos todos em nossa constante mudança... desejando... que seja sempre... para melhor.


Crédito das fotos: Bella Corradi (Canada), Pedro Prado (Canada), Thais Fernandez (England)

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Quem disse que a Nova Zelândia é longe?


Certa vez, há quase quinze anos, recebi uma carta (lá vamos nós de novo com essa história de cartas) de uma tal de Alyson, diretora de marketing da escola Dominion, em Auckland, NZ.

Na época, estava sendo contratada por uma nova empresa e decidi, sabe-se lá por quê, juntar a tal da cartinha aos outros "pertences pessoais" que carreguei comigo.

Não foi então que eu e a tal da Alyson nos tornamos parceiras profissionais? E o mais incrível: montamos grupos especiais e produtos que ainda não existiam no mercado. Ralamos, levamos cabeçadas da vida e até chegamos a brigar. Essa parte eu já tinha até esquecido, juro.

Na primeira vez que tive um grupinho de alunos para a Nova Zelândia (estudantes de High School) lá fui eu acompanhá-los rumo a Auckland! Detalhe: eles foram e eu fiquei em Buenos Aires. Overbooking... Queria voltar para o Brasil, mas a empresa não deixou. "Vá, Luiza, nem que seja um dia depois. É seu compromisso com os pais". Eu fui. E fiquei na casa da Alyson. Foi lá que a amizade começou.

Quando você chega ao aeroporto de Auckland (ao menos quando eu fui, pois tem séculos que não visito a cidade), você é recebido com um lindo "Bem Vindo"na lingua Maori. E é engraçado como me senti em casa na Nova Zelândia. Em casa, e na casa de uma nova amiga.

Fui duas vezes ao seu país. Alyson, claro, ganha de mim de "lavada". Desde que a Júlia nasceu, já nos visitou três vezes. A trabalho, mas a passeio. Sempre tem um tempinho pra nós. É incrível como essa minha amiga viaja!!!! Seu Skype é assim: Alyson in Hong Kong, Alyson in Venice, Alyson in Berlin, Alyson in Belo Horizonte, Alyson in Auckland (Ah, é, ela mora lá!).

Hoje meu carro tem um adesivo do seu país, a "silver fern", símbolo de lá. Hoje Júlia arrisca palavras em inglês e gosta de chocolate recheado de Kiwi. Hoje Alyson leva na bagagem um litro de cachaça Germana e imagens (lindas imagens...) de Inhotim.

Dear Friend, it was lovely to have you here again! Miss you already! When will we meet next time?

Kisses from the other side of the world (pensando bem, acho que não é tão longe assim...)