sábado, 19 de junho de 2010

Viajando às pinceladas



Lindas montanhas emolduram a paisagem próxima do aeroporto. Que linda, essa chegada ao Espírito Santo. Nunca tinha reparado nesse relevo tão... diferente. Parece até uma pintura.
Vitória está lá. Meu destino desta vez. Mais uma pincelada e a gente desce.

O caminho agora é outro, assim como o ritmo (BEEEM mais lento).
Do avião, passei para um carro 95, vidro da frente trincado, dançando com a ajuda dos buracos da estrada, mas quem se importa com pinceladas tremidas quando se vê um mar à direita.

Prata, azul, branco, verde - Difícil definir aquele mar. Rochas, espuma de onda, vontade de parar, dobrar a calça e esquecer que o mundo existe. Só passear na areia, mais nada.

Nova Almeida, Jacaraípe - Às vezes acho que reconheço alguns daqueles cenários, pinturas esmaecidas de certas férias de infância - Aquela igreja? Acho que sim, já visitei - e me vêm à lembrança algumas das fotos já envelhecidas pelo tempo, em um dos álbuns da família na casa da minha mãe.

No dia seguinte, saio de Aracruz bem cedinho, novamente com destino a Vitória. Mais uma vez o mar dá ´Bom dia´- Realmente, o dia é bom. Lindo. Perfeito. Azul. Quente. Enfeitado de mar. Nenhuma pincelada traduz a beleza daquilo que já temos, mas que quase todos os dias nos esquecemos de enxergar.

Sei que mineiro é meio doidinho com o mar. ´Doidim` com o mar, a gente diz.
Pra mim, doido é quem não dá conta de admirar uma coisa dessas.
Que passa do lado sem dedicar alguns segundos de olhar.

Amo minha terra, tenho orgulho de minhas raízes... Mas como gostaria de ter uma vista para a praia, um cantinho do pensamento, só para olhar para aquela imensidão azul, meditar, respirar, escrever... O mar mexe com as idéias da gente, e de tanto mexer, acaba criando outra cor.

A gente tem outra cor perto do mar. Ali, a gente é dourado.

Parabéns, Vitória, que tem mar e montanha. Cuidem bem da terra de vocês. Dessa vez, ao invés de fotos, guardo pinceladas de memórias, cenas de um lindo dia que pareceu amanhecer só para nos agradar.

Um comentário:

  1. Que menina poeta... ou poeta menina...
    Tanto faz!...:)

    Viajei nessa com você Lú. E foi "bão" demais...rs

    Eu também amo o mar, e me contento só de olhar.
    A gente ganha novas energias só de estar próxima a ele, não é verdade?

    Obrigada pelo comentário lá no meu cantinho.
    Já estava sentindo a sua falta!

    Beijo grande e um ótimo final de semana prá você, Marcelo e Jujú.

    Fiquem com Deus!

    ResponderExcluir