sábado, 6 de agosto de 2011

Uma família tralalá e uma viagem rodoviária pra lá de divertida!



-Quanto tempo de ônibus? - me pergunta Júlia (9)
-Umas 12 horas... - respondo.
-DOZE???? NUUU!!!!

A expectativa para essa viagem rodoviária foi grande. Para mim, pareceu o túnel do tempo. Para ela, algo absolutamente inédito.

Pra variar, deixei as malas para a última hora. Minha habilidade de fazer malas, que está próxima à avaliação "nula" ou "sofrível", certamente não ajudou. Aliás, Juju, bem que você poderia me ajudar, né?

-Mas eu já separei as minhas coisas! - ela reclamou - Vem ver aqui na minha cama!

Fui conferir, claro, afinal minha filha poderia mesmo estar crescendo.

-Mas aqui não tem nada! - reclamei.
-Claro que tem, mãe! Canetinha, bloco, o Nintendo DSI, o carregador, o coelhinho pra dormir...
-Tá, tá, mas cadê as roupas, os sapatos, os biquínis?????
-Ah, é...

Cristo Redentor!!! Isso é que dá a gente mal sair do trabalho e já emendar as férias! Não dá tempo nem de respirar! E dá-lhe dobra roupa, aperta roupa, separa roupa...

Lógico que ao voltar a BH apenas 1 terço da mala tinha sido utilizado. Mas isso é outra história!!!!

Pra que serve o guia de uma excursão dessa? - uma amiga perguntou.
Para mim, serviu para contar a parte final do DVD que insistiu em travar durante a viagem.
-Gente... - explicou ele - Já tentei de tudo mas o filme realmente não roda mais. Vamos colocar outro e...
-Como assim????????? - Reclamei - Nâo vou aguentar ficar sem saber o que aconteceu, peloamordedeus!!!!!

Guia também serve para aguentar chatice dos passageiros que bebem cerveja enquanto ele explica tudo, e depois pedem pra explicar tudo enquanto o guia bebe... coca-cola.

-Faz xixi, Júlia.
-Não tô com vontade.
-Filha, vai assim mesmo, a outra parada vai demorar.

Pra mim viagem de ônibus tem cara de pão de batata com queijo na parada, além do café, claro. Ou coca-cola, se estiver enjoado. Ou água tônica, se o enjoo for um pouco mais forte. E fazer xixi na parada, nem que seja só um pinguinho, afinal ninguém merece aquele banheiro do ônibus.

Viagem rodoviária me faz pensar em walk-man. Para quem não é dessa geração, explico que o walk-man é o tataravô no Ipod. Em outras palavras, um tijolinho que carregava FITAS de música cujo repertório eu gravava das rádios, e vira e mexe precisava cortar a música antes do locutor falar...

Viagem rodoviária me faz meditar, olhar as paisagens desse Brasil imenso, pensar em como pessoas moram em casinhas isoladas no meio do cerrado, enfim, viagem rodoviária é um convite para pensar na vida e em si mesmo, enquanto ouvimos nosso repertório de músicas preferidas.

Ah, e se emocionar. Como as paisagens que coloco em seguida. Aqui, quando atravessamos a ponte que divide o Estado de Goiás e Minas Gerais (sobre o Rio Paranaíba), minha ficha caiu. Nessa vida de ritmo maluco, quando mal sabemos esperar um arquivo ser aberto ou o elevador chegar, é importante nos lembrarmos do que significa percorrer caminhos. Afinal, mais do que o destino final, a viagem é o percurso.

Aliás, sobre o destino final... Bem, sobre esse eu conto no próximo post! ;)

De Caldas Novas - Julho 2011

De Caldas Novas - Julho 2011

De Caldas Novas - Julho 2011

4 comentários:

  1. Adorei "viajar" nos seus comentários. As fotos estão lindas!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Estou aguardando o próximo post.Que venha logo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Luiza, achei ótimo o teu jeito de escrever! Vou passear com mais calma por aqui.

    ResponderExcluir